sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

NATAL NUMA PRAÇA.

E lá está uma praça

Cheia de graça...

É natal de muitas alegrias!

É natal de tantas alegorias...

As luzes como piscam

E as casas ao redor brilham

Um o menino de rua

Admira a lua!

Come um panetone

Que o lixo lhe forneceu.

Um olhar o fita e malicia

E satisfeito dele desconfia:

“Será mais um maldito ladrão”?

O mendigo chora tomando cachaça

Tanto uma risada sem graça...

Vive resignado e jogado as traças

Amando suas belas lembranças...

Pois foi um dia gente!

Foi ate mesmo um amante...

Foi vaidoso, orgulhoso, um gigante...

Fantasiou-se, Sonhou e sonhou!

Sentiu, curtiu e também venceu!

O vento mudou, ele se perdeu

E o natal lhe esqueceu...

Um solitário brinda a tristeza

Andado arrumado pela calçada

E faz da esperança sua alteza!

Busca um milagre na madrugada...

Numa falida casa mora o silencio

E todos dormem em suplicio...

Não acreditam no impossível

Querem encontrar um Emanuel visível...

Nas outras casas ao redor

Festa com muita alegria

Muita fraternidade e harmonia!

Comida variada e bem farta

E hora de brindar com boa bebida...

Presentes, presentes e o papai Noel na porta!

Em fim está na hora da oração...

Cada um com sua emoção

E a fé sempre em discussão

E Deus tentando habitar todos os corações...